SALMOS

"INSTRUIR-TE-EI E TE ENSINAREI O CAMINHO QUE DEVES SEGUIR; E, SOB AS MINHAS VISTAS, TE DAREI CONSELHO. NÃO SEJAIS COMO O CAVALO OU A MULA, SEM ENTENDIMENTO, OS QUAIS COM FREIOS E CABRESTOS SÃO DOMINADOS; DE OUTRA SORTE NÃO TE OBEDECEM."

SALMOS 32:8 e 9
































































segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Professor e Aluno

Professor: Você é cristão, filho?
Aluno: Sim, senhor.
Professor: Então, você acredita em Deus?
Aluno: Absolutamente, senhor.
Professor: Deus é bom?
Aluno: Claro!
Professor: Deus é Todo-Poderoso?
Aluno: Sim.
Professor: Meu irmão morreu de câncer, embora ele orasse a Deus para curá-lo. A maioria de nós tentaria ajudar outras pessoas que estão doentes. Mas Deus não o fez. Como isso é um bom Deus, então? Hmm?
(Estudante ficou em silêncio.)
Professor: Você não pode responder, não é? Vamos começar de novo, meu rapaz. Deus é bom?
Aluno: Sim.
Professor: E Satanás é bom?
Aluno: Não.
Professor: De onde é que Satanás vem?
Aluno: A partir de… DEUS.
Professor: Isso mesmo. Diga-me, filho, existe o mal neste mundo?
Aluno: Sim.
Professor: O mal está em toda parte, não é? E Deus fez tudo. Correto?
Aluno: Sim.
Professor: Então, quem criou o mal?
(Estudante não respondeu.)
Professor: Existe doença? Imoralidade? Ódio? Feiura? Todas estas coisas terríveis existem no mundo, não é?
Aluno: Sim, senhor.
Professor: Então, quem as criou?
(Estudante não tinha resposta.)
Professor: A ciência diz que você tem 5 sentidos que usa para identificar e observar o mundo ao seu redor. Diga-me, filho, você já viu DEUS?
Aluno: Não, senhor.
Professor: Diga-nos se você já ouviu o seu Deus?
Aluno: Não, senhor.
Professor: Você já sentiu o seu Deus, provou o seu DEUS, cheirou o seu Deus? Alguma vez, você já teve qualquer percepção sensorial de DEUS?
Aluno: Não, senhor. Desculpe-me, mas eu não tive.
Professor: Mas você ainda acredita nEle?
Aluno: Sim.
Professor: De acordo com o protocolo empírico, testável, demonstrável da Ciência, o seu Deus não existe. O que você acha disso, filho?
Aluno: Nada. Eu só tenho a minha fé.
Professor: Sim, fé. É com isso que a Ciência tem problema.
Aluno: Professor, existe tal coisa como o calor?
Professor: Sim.
Aluno: E existe tal coisa como o frio?
Professor: Sim.
Aluno: Não, senhor. Não há.
(O auditório ficou muito quieto com essa sucessão de eventos.)
Aluno: Professor, o senhor pode ter muito calor, e ainda mais calor, superaquecimento, calor branco, pouco calor ou nenhum calor. Mas não temos nada que se chame frio. Podemos atingir -236 graus abaixo de zero, que não é calor, mas não podemos ir mais longe que isso. O frio não existe. Frio é apenas uma palavra que usamos para descrever a ausência de calor. Não podemos medir o frio. O calor é energia. Frio não é o oposto de calor, senhor, apenas a ausência dele.
(Havia silêncio no auditório.)
Estudante: E sobre a escuridão, professor? Existe tal coisa como a escuridão?
Professor: Sim. O que é noite, se não existe a escuridão?
Estudante: O senhor está errado novamente. A escuridão é a ausência de algo. Você pode ter pouca luz, a luz normal, luz brilhante, luz piscante. Mas se você não tem luz, constantemente, você não tem nada, e isso é chamado de escuridão, não é? Na realidade, não é. Se isso fosse correto, você seria capaz de fazer mais escura a escuridão, não seria?
Professor: Então, a qual ponto você quer chegar, rapaz?
Aluno: Senhor, o meu ponto é que a sua premissa filosófica é falha.
Professor: Falha? Você pode explicar como?
Aluno: Professor, o senhor está trabalhando na premissa da dualidade. O senhor argumenta que há vida e há morte, um Deus bom e um Deus mau. O senhor está vendo o conceito de Deus como algo finito, algo que podemos medir. Senhor, a Ciência não pode explicar um pensamento. Ela usa a eletricidade e o magnetismo, mas nunca os viu, muito menos, completamente, compreendeu qualquer um deles. Ver a morte como o oposto da vida é ser ignorante ao fato de que a morte não pode existir como algo substantivo.
A morte não é o oposto da vida: apenas a ausência dela. Agora diga-me, professor, você ensina a seus alunos que eles evoluíram de um macaco?
Professor: Se você está se referindo ao processo evolutivo natural, sim, claro, eu faço.
Estudante: Você já observou a evolução com seus próprios olhos, senhor?
(O professor balançou a cabeça com um sorriso, começando a perceber para onde o argumento estava indo.)
Estudante: Como ninguém jamais observou o processo de evolução em trabalho e não pode sequer provar que este processo é um empreendimento em curso. Você não está ensinando a sua opinião, senhor? Você não é um cientista, mas um pregador?
(A classe estava em alvoroço.)
Aluno: Existe alguém na classe que já viu o cérebro do professor?
(A classe explodiu em gargalhadas.)
Aluno: Existe alguém aqui que já ouviu o cérebro do professor, sentiu, tocou ou cheirou? Ninguém parece ter feito isso. Assim, de acordo com as regras estabelecidas de protocolos empíricos, estáveis e comprovados, a Ciência diz que você não tem cérebro, senhor. Com todo o respeito, senhor, como confiar em suas palestras?
(A sala ficou em silêncio. O professor olhou para o aluno, com o rosto insondável.)
Professor: Eu acho que você vai ter que tomá-las pela fé, filho.
Aluno: É isso, senhor … Exatamente! O elo entre o homem e Deus é a fé. Isso é tudo o que mantém as coisas vivas e em movimento.
Autor Desconhecido
P.S.: Acredito que você tenha gostado da conversa. E se assim for, você, provavelmente, vai querer que seus amigos e colegas aproveitem o mesmo, não vai? Transmita isso para aumentar seu conhecimento ou fé.
Bispo Edir Macedo
Bispo Edir Macedo

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Dedo na ferida

Eli esteve como profeta por 40 anos e tinha dois filhos. Ele conhecia bem a Vontade de Deus, mas conhecia também os erros dos seus filhos. Esses desprezavam a Deus tocando nas ofertas e sacrifícios do povo, e isso era um pecado muito grave diante dos Olhos de Deus.
Além disso, eles viviam na prostituição, comprometendo, assim, a Salvação de muitas pessoas, por causa do péssimo testemunho que davam. Eli os repreendeu, mas somente de maneira superficial.
Com a autoridade de profeta e de pai, Eli deveria ter colocado o dedo dentro da ferida deles, condenando o roubo, a prostituição, o mau testemunho e alertando que, uma vez seguindo essas práticas, eles seriam levados para o inferno.
Muitos pregadores falam também de uma maneira superficial, com medo de perder membros. Trabalham somente para ganhar as pessoas para a igreja, e não para ganhá-las para o Reino dos Céus.
No caso dos filhos de Eli, a situação durou até a chegada de um homem de Deus. Eli era profeta, mas houve a necessidade de vir um homem de Deus para falar a verdade que o profeta já conhecia muito bem.
Por isso, por intermédio de Seu servo, Deus condenou as atitudes dos filhos de Eli. Pois não aceitava que o profeta honrasse mais aos seus filhos que a Ele.
Uma das características do homem de Deus é falar a verdade, custe o que custar, doa a quem doer. Esse homem de Deus fez o que o profeta não fez, ele colocou o dedo na ferida. ELE FALOU A VERDADE SEM VOLTAS.
… porque aos que Me honram, honrarei, porém os que Me desprezam serão desmerecidos. 1 Samuel 2.30
Honramos a Deus não com palavras, e sim com atitudes, com o nosso caráter, quando vivemos na verdade.
Honramos a Deus quando Ele é o Primeiro em nossas vidas.
Honramos a Deus quando desagradamos a todos e a nós mesmos, somente para agradá-lO.
Resultado de tudo isso: os filhos morreram e Eli também.
Morreram os indisciplinados e também aquele que não os disciplinou.
Bispo Djalma Bezerra
Colaborou: Bispo Djalma Bezerra

Justiça interior


“Ó Senhor, faz justiça em minha vida. Faz justiça, Senhor!”
Quando fazemos esse tipo de clamor não imaginamos a dimensão de tal frase. Esquecemos que “vida” para Deus é referente, primeiramente, a algo interno, e não externo.
A primeira coisa que interessa para Deus, quando apresentamos a nossa vida a Ele, é justamente o interior de quem oferece, e não o exterior (os problemas).
Por essa razão, é necessário sermos totalmente conscientes dessa diferença de ponto de vista. Quando pedimos para que O Poderoso Juiz faça justiça em nossas vidas, temos de estar cientes de que os Seus olhos focarão de imediato nosso ser, nossa vida invisível, isto é, aquilo que não vemos.
E, se a nossa injustiça for causa da justiça de Deus, que diremos? Porventura, será Deus injusto, trazendo ira sobre nós? (Falo como homem.) Romanos 3.5
Certamente não há injustiça em Deus!
Para que a Justiça Divina seja externada com excelência, primeiramente ela precisa acontecer dentro daquele que clama. Não há justiça para quem vive na injustiça. Onde existe o pecado a injustiça sempre reinará, pois a mesma habita dentro do pecador.
Em que você necessita ver a materialização da Justiça Divina?
Em seu casamento?
Em sua saúde?
Em sua família?
Vida econômica?
Vida sentimental?
O Justo Juiz deseja e pode julgar a sua causa, porém, é necessário que exista uma justiça interior, fidelidade e intenção correta. É preciso existir uma reciprocidade de justiças, ou seja, a justiça deve ir e vir.
Analisemos nossas intenções e condição para entrarmos na Presença do Santo Juiz e pedir-Lhe que julgue a nossa causa e faça justiça em nossas vidas.
Não podemos esquecer que durante um juízo o injustiçado também é investigado, a fim de comprovar-se a veracidade de suas queixas.
Quem é injusto, seja injusto ainda; e quem é sujo, seja sujo ainda; e quem é justo, seja justificado ainda; e quem é santo, seja santificado ainda. Apocalipse 22.11
O post Justiça interior apar

Quando 1% é melhor do que 99%


Na última semana, estava lendo um artigo que me chamou atenção com o título: “Por que 1% deve ser muito mais rico do que o restante 99%”. A pesquisa mostra que a maior parte da riqueza mundial está nas mãos de somente 1%. Os que compõem esse 1% são inventores, pesquisadores ou pessoas que procuraram, de alguma forma, melhorar o que estavam fazendo. No início não eram pessoas conhecidas, mas tiveram coragem de colocar suas ideias em prática, as compartilharam com os outros e se destacaram. A exemplo de Henry Ford, Steve Jobs etc.
Lendo esse artigo com os nossos olhos da fé, vemos por que existem pessoas que estão na Igreja há anos, dão dízimos, fazem votos, louvam, porém permanecem sendo parte dos restantes 99% neste mundo. Pessoas que não se destacam e pensam estar sendo injustiçadas, mas o que elas apresentam, tanto para Deus no Altar quanto para seus clientes ou seu patrão, é o pior.
Muitos acham que, simplesmente, por fazerem seus votos e dízimos, Deus teria que respondê-los. Além disso, resmungam, ora sobre a economia, ora sobre o Governo, sobre seu superior ou que Deus não faz justiça em suas vidas, quando, na realidade, apesar de crerem, seu profissionalismo é muito inferior ao do incrédulo. Essas pessoas têm ideias e não as aplicam, ou não têm coragem de se arriscar, tornando-se assim parte dos 99% restantes. É a mais pura realidade. Querem ter o que os outros têm, mas não querem fazer o que os outros fizeram.
Porém, aqueles que chegam à Igreja e têm um encontro com Deus de verdade, decidem mudar suas atitudes, sacrificar, agir a fé e buscam se superar com a direção de Deus e com dedicação naquilo que fazem, procurando fazer o melhor no seu trabalho e com qualidade, não veem obstáculos. Deus, então, os faz grandes.
Se eu fosse convocado a um tribunal e necessitasse de um advogado para me defender, mesmo sabendo que o advogado é cristão, mas fraco na defesa, o contrataria? É certo que não! Iria preferir um advogado incrédulo, bom naquilo que faz, e iria usar a minha fé para que Deus o usasse. Não que Deus não possa usar o primeiro advogado que citei, porém, se o advogado cristão é fiel, mas não se empenha em ser bom, e o incrédulo sim, então está claro quem irá fazer a diferença. O mesmo seria no caso de um médico, professor etc. Bem, não vou me estender.
O Reino de Deus é um conjunto de fidelidade com excelência. Por isso é que Ele diz: Ora, apresente isto ao seu governador para ver se ele será favorável a você! Malaquias 1.8
Neste caso, o sacerdote fazia de qualquer jeito e o povo também. E, após isso, reclamavam que os incrédulos prosperavam e que era inútil servir a Deus.
Meu amigo, Deus faz milagres mais ou menos? Não! Da mesma forma, como serão grandes e irão fazer a diferença os que pensam que somente ser fiel é o bastante, se não forem bons naquilo que fazem?
Disse-lhe o Senhor: Muito bem, servo BOM e FIEL… Mateus 25.20
É por isso que na Universal não nos preocupamos com quantidade e, sim, com qualidade. Às vezes, alguns não gostam de nosso discurso, porém, isso não importa. O que importa é que ensinamos que não basta largar um pecado, tem que se arrepender e largar todo pecado. Não basta ir à igreja, tem que se entregar 100%. Não basta dar uma oferta, tem que ser sacrifício. Não basta ser somente fiel, tem que ser bom. Aí sim você será parte dos que são honrados por Deus com a Sua Justiça, pois são poucos os que estão dispostos a pagar o preço. Esses, ainda que fossem 1%, Deus Se agradaria deles.
Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus…Hebreus 11.16
Então, o mesmo Daniel se distinguiu destes presidentes e sátrapas, porque nele havia um espírito excelente; e o rei pensava em estabelecê-lo sobre todo o reino. Daniel 6.3
Então vocês verão novamente a diferença entre o justo e o ímpio, entre os que servem a Deus e os que não O servem. Malaquias 3.18

Cuida do mais importante!


Pois Eu vos digo que a todo o que tem, dar-se-lhe-á; mas ao que não tem, até aquilo que tem ser-lhe-á tirado. Lucas 19.26
Era uma vez um jovem que recebeu de um rei a tarefa de levar uma mensagem e alguns diamantes a um outro rei, de uma terra distante.
Recebeu também o melhor cavalo do reino para levá-lo na jornada.
“Cuida do mais importante e cumprirás a missão!” – disse o soberano ao se despedir.
Assim, o jovem preparou o seu alforje, escondeu a mensagem na bainha da calça e colocou as pedras numa bolsa de couro amarrada à cintura, sob as vestes.
Pela manhã, bem cedo, sumiu no horizonte. E não pensava sequer em falhar. Queria que todo o reino soubesse que era um nobre e valente rapaz, pronto para desposar a princesa.
Aliás, esse era o seu sonho, e parecia que a princesa correspondia às suas esperanças. Para cumprir rapidamente a sua tarefa, por vezes deixava a estrada e pegava atalhos que sacrificavam a sua montaria.
Assim, exigia o máximo do animal. Quando parava em uma estalagem, deixava o cavalo ao relento, não lhe aliviava da sela nem da carga, tampouco se preocupava em dar-lhe de beber ou providenciar alguma ração.
– Assim, meu jovem, acabas perdendo o animal – disse alguém.
– Não me importo – respondeu ele. Tenho dinheiro. Se este morrer, compro outro. Nenhuma falta fará!
Com o passar dos dias e sob tamanho esforço, o pobre animal, não suportando mais os maus-tratos, caiu morto na estrada.
O jovem simplesmente o amaldiçoou e seguiu o caminho a pé. Acontece que nessa parte do país havia poucas fazendas e eram muito distantes umas das outras. Passadas algumas horas, ele se deu conta da falta que lhe fazia o animal. Estava exausto e sedento.
Já havia deixado pelo caminho toda a tralha, com exceção das pedras de diamantes, pois lembrava da recomendação do rei:“Cuida do mais importante!”
Seu passo se tornou curto e lento. As paradas, frequentes e longas. Como sabia que poderia cair a qualquer momento e temendo ser assaltado, escondeu as pedras no salto de sua bota.
Mais tarde, caiu exausto no pó da estrada, onde ficou desacordado. Para sua sorte, uma caravana de mercadores que seguia viagem para o seu reino o encontrou e cuidou dele.
Ao recobrar os sentidos, encontrou-se de volta em sua cidade. Imediatamente foi ter com o rei para contar o que havia acontecido e, com a maior desfaçatez, colocou toda a culpa do insucesso nas costas do cavalo “fraco e doente” que recebera.
– Porém, majestade, conforme me recomendaste, “cuida do mais importante”, aqui estão as pedras que me confiaste. Devolvo-as a ti. Não perdi uma sequer.
O rei as recebeu de suas mãos com tristeza e o despediu, mostrando completa frieza diante de seus argumentos. Abatido, o jovem deixou o palácio arrasado!
Em casa, ao tirar a roupa suja, encontrou na bainha da calça a mensagem do rei, que dizia:
“Ao meu irmão, rei da terra do Norte. O jovem que lhe envio é candidato a casar-se com a minha filha. Esta jornada é uma prova. Dei a ele alguns diamantes e um bom cavalo. Recomendei que cuidasse do mais importante. Faz-me, portanto, este grande favor e verifica o estado do cavalo. Se o animal estiver forte e viçoso, saberei que o jovem aprecia a fidelidade e força de quem o auxilia na jornada. Se, porém, perder o animal e apenas guardar as pedras, não será um bom marido nem rei, pois terá olhos apenas para o tesouro do reino e não dará importância à rainha nem àqueles que o servem.”
(Autor desconhecido)
Deus conta contigo e eu também.

Água da Vida

Problemas para visualizar? Clique para ler no seu navegador.
Blog do Bispo Macedo
Há poucos meses inauguramos a nossa igreja na Tribo dos Massais, situada na Mile 46, Kajiado, Quênia. Entre os muitos desafios daquela tribo, um dos maiores é a seca, já que não se encontra água nas proximidades e o único poço local secou recentemente. Os membros da tribo chegam a andar mais de cinco quilômetros em busca de água nos rios da região, os quais estão completamente secos.
Contudo, no mesmo dia em que o único poço secou, inauguramos a nossa fonte de água. Membros da Universal se reuniram com suas ofertas e contrataram uma empresa para realizar o serviço. Com equipamentos especializados, foi feito um furo de 300 metros de profundidade até encontrar o lençol de água. O que mais admirou a todos, e em especial aos funcionários dessa empresa, foi encontrar água no terreno da nossa igreja, algo magnífico! Esse lençol de água suprirá aquela tribo por muitos e muitos anos.
Para os Massais, a água vale mais do que ouro, confirmando o senso popular de que água é vida. Assim que o chefe da tribo deu a sua palavra de agradecimento aos membros da Universal, a fila logo se formou, com as pessoas ansiosas por receberem água gratuitamente, ao contrário de algumas ONGs que também têm poço, mas cobram pela água fornecida.
Cena marcante foi ver pessoas carregando os galões com o emblema da Universal, “Jesus Cristo é o Senhor”, e também um versículo que mostra a nossa motivação nessa jornada:Aquele, porém, que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que Eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. João 4.14
No momento da reunião, explicamos que, apesar de receberem a água artesiana, nós estávamos ali para dar-lhes a Água da Vida, o Senhor Jesus, pois só assim eles nunca mais terão sede.
Logo após a oração da cura e libertação, distribuímos Bíblias na língua local — o massai.
Além da inauguração da nossa fonte de água, o batistério construído ali foi usado pela primeira vez para levar 42 membros da tribo a consumarem a entrega de suas vidas ao Deus de Abraão.
Como estamos na Igreja há algum tempo, já nos acostumamos com a alegria das pessoas ao serem batizadas, mas neste dia a alegria que eles sentiram ao saírem das águas foi algo que ficou em nossa memória. Algo que eles nunca haviam experimentado antes.
Eles saiam das águas rindo e espantados, ao mesmo tempo, por não entenderem de onde vinha tamanha alegria. Com um sorriso imenso diziam: “Eu nunca senti isso antes!”
Mais uma igreja, mais uma Fonte Universal a jorrar, para matar a sede física e espiritual de milhares. Hoje, os Massais estão conhecendo um Deus Vivo, de Quem nunca tinham ouvido falar. Com testemunhos de libertação de espíritos imundos, de cura e de restauração, podemos dizer com certeza: “Os Massais são a Universal!”
Que Deus continue abençoando o trabalho realizado nessa tribo!
Colaborou: Bispo Marcelo Pires

AS GUERRAS PREVISTAS NA BÍBLIA JÁ ESTÃO ACONTECENDO?


A Bíblia fala sobre guerras e rumores de guerras no livro de Mateus 7:6, mas será que essas guerras e rumores de guerras que ouvimos falar quase que diariamente em sites na internet, noticiários e etc, são as que a Bíblia previu?

Existem incrédulos que afirmam que tudo isso sempre aconteceu, mas queremos mostrar aqui para todos os leitores que a intensidade das guerras que tem acontecido nas últimas décadas e com o número expressivo de mortos a coisa já não está mais tão normal como alguns incrédulos acreditam.

Desde 1899 até os dias atuais houve mais mortos em combates armados do que em todas as guerras juntas desde o primeiro século depois de Cristo. Mais de 100 milhões de mortes em apenas um pouco mais de 100 anos, sendo país contra país, nação contra nação e reino contra reino em todas as partes do mundo.

Quantas pessoas inocentes precisam morrer mais para que muitos entendam que tudo o que já foi previsto na Bíblia está acontecendo sobre o Final dos Tempos? Infelizmente as pessoas não estão vendo porque não querem, ou porque realmente não creem.

O segredo é, cada um cuidar da sua própria salvação, pois o dia e a hora ninguém sabe.

Caso você tenha alguma dúvida se realmente estamos ou não vivendo o Final dos Tempos, clique aqui.