SALMOS

"Instruir-te ei e te ensinarei o caminho que deves seguir; e, sob as minhas vistas, te darei conselho. Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem."

Salmos 32:8 e 9
































































segunda-feira, 14 de abril de 2014

A FAMÍLIA UNIVERSAL É ASSIM!

Vídeo surpreendente expressa a importância da ação coletiva # # Guo União



ORE, LEIA, REFLITA E ENTENDA.


"Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão.
Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas.
Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.
O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.
Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.
E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.
Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca,
E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.
Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro;
Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra.
Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.
Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa.
Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis."

Mateus 24:32-44

domingo, 6 de abril de 2014

EVANGELIZAÇÃO CAMPINAS


PROJETO T-AMAR

SE VOCÊ ESTÁ EM OUTRO PAÍS E DESEJA PARTICIPAR DESSE PROJETO, PROCURE UMA IGREJA UNIVERSAL MAIS PRÓXIMA DE SUA CASA.

IF YOU ARE IN ANOTHER COUNTRY AND WISH TO PARTICIPATE IN THIS PROJECT, GET A CLOSER UNIVERSAL CHURCH OF YOUR HOME. Teenage sexual abuse, teenage pregnancy, teenage pregnancy, love, relationship, care, child, son, responsibility, maturity, spirituality, emotional, basis, guidance, care, affection, family

SI NO SE ENCUENTRA EN OTRO PAÍS Y DESEA PARTICIPAR EN ESTE PROYECTO, OBTENER UNA IGLESIA UNIVERSAL DE CERCA DE SU CASA. Abuso sexual de adolescentes, el embarazo adolescente, el embarazo adolescente, el amor, la relación, cuidado, niño, hijo, la responsabilidad, la madurez, la espiritualidad, emocional, base, orientación, atención, afecto, familia

SE SIETE IN UN ALTRO PAESE E DESIDERA PARTECIPARE A QUESTO PROGETTO, GET A CLOSER CHIESA UNIVERSALE DELLA TUA CASA.Abuso sessuale di adolescenti, adolescenti gravidanza, gravidanze in età adolescenziale, amore, relazioni, cura, bambino, figlio, la responsabilità, la maturità, la spiritualità, emotivo, base, l'orientamento, la cura, l'affetto, la famiglia



別の国であり、このプロジェクトに参加したい場合は、あなたの家のCLOSER普遍的教会をGET. 

Ако сте во друга земја и сакаат да учествуваат во овој проект, го однесам за одблизу универзалната Црква на вашиот дом

如果您在其他国家,并希望参与这个项目,得到仔细普世教会你

JIKA ANDA BERADA DI NEGARA LAIN DAN INGIN BERPARTISIPASI DALAM PROYEK INI, GET A DEKAT UNIVERSAL GEREJA RUMAH ANDA


SI VOUS ÊTES DANS UN AUTRE PAYS ET souhait de participer à ce projet, voir de plus près EGLISE UNIVERSELLE DE VOTRE MAISON. Abus sexuels chez les adolescentes, les grossesses précoces, les grossesses précoces, l'amour, les relations, les soins, l'enfant, le fils, la responsabilité, la maturité, la spiritualité, émotionnelle, base, conseils, de soins, de l'affection, de la famille

domingo, 23 de março de 2014

O segredo que existe por trás de um simples jogo virtual

O segredo que existe por trás de um simples jogo virtual O que as empresas ganham com o vício em jogos digitais http://www.universal.org/noticia/2014/03/09/o-segredo-que-existe-por-tras-de-um-simples-jogo-virtual-29006.html

“Logo na primeira semana conseguimos pagar o investimento feito para o desenvolvimento do aplicativo”, frase dita pelo diretor de operações da Netfilter, Pedro Paulo de Oliveira, que criou o jogo virtual Boliche Medieval, para o site UOL Tecnologia. Nesse jogo, até a fase 10, que tem como objetivo derrubar pinos de boliche, o aplicativo sai de graça. Porém, para continuar jogando, o usuário tem a opção de baixar os outros níveis, mas paga por isso.
Se nada vem de graça no mundo real, imagina no virtual? Grande parte desses aplicativos não tem custo algum, basta que o usuário baixe-o e pronto. Como um “peixe”, o consumidor caiu na rede e foi consumido pelas sensações que o novo companheiro causa. Porém, o que parece apenas um divertido passatempo esconde um mundo cruel e, o que é pior, viciante.
Foi o caso do estudante Henrique Costa, de 28 anos, que ficava 16 horas por dia jogando. Sua vida era baseada nos jogos. “No início era um hobby, depois virou compulsão. Atrapalhou toda a minha vida. Tudo girava em torno disso. E, se eu não estava jogando, ficava irritado, não conseguia nem raciocinar. Não acreditava mais em mim mesmo. E jogando, quanto mais eu ganhava, mais me sentia poderoso. Porém, chegou uma hora que começou a prejudicar a minha saúde e aí percebi que precisava mudar. Hoje, depois de três anos sem jogar, me vejo liberto desse mundo”, conta
O psicólogo Cristiano Nabuco, que trata de viciados em internet no Hospital das Clínicas de São Paulo, destaca a estratégia usada na fabricação desses divertimentos e fala do que eles são capazes. “Os jogos são feitos para que as pessoas ganhem pontuação. Por isso, as primeiras ‘fases’ de um jogo são fáceis de conquistar. Com isso, causam dependência e aumentam o ego e a vaidade.”
O especialista também faz questão de destacar que muitos, sem perceber, entram num estado de “anestesia emocional” toda vez que se deparam com situações difíceis. Ele explica que isso é uma habilidade natural do ser humano, de procurar “fugas” para se sentir melhor.
Em entrevista ao site Forbes, o criador do jogo Flappy Bird, Dony Nguyen, disse o porquê tirou o seu jogo do mundo virtual. “Ele (Flappy Bird) foi criado para jogar por alguns minutos, quando você está tranquilo. Mas tornou-se viciante. Acho que virou um problema e, para resolver esse problema, é melhor remover o Flappy Bird. Não tem volta.”
Nesse jogo, a pessoa controlava o voo de um pássaro, que precisava atravessar um caminho sem fim e cheio de obstáculos para ganhar todos os pontos.
A psicóloga Janice Rechulski afirma que, para o dependente nesse tipo de jogo, existe a “sensação de vitória; pois o sucesso que a pessoa não tem na vida, adquire no jogo”.
Quem se acha vitorioso nesse campo deve ficar atento, pois até coisas que parecem inofensivas e ingênuas são exploradas por quem visa apenas o lucro. E tudo em nome da diversão, do nosso bem-estar.
Será mesmo?
A busca por estratégias que viciem o usuário só deixam claro que, por mais que o jogador se sinta o campeão das fases mais difíceis de tais jogos, na verdade, está sendo apenas mais uma marionete nas mãos das empresas e se transformando num perdedor das coisas simples da vida.

O PODER DO NÃO

Além da grande variedade de apetrechos eletrônicos à nossa disposição, a TV exige uma atenção especial. Por quê?

O jornal New York Times publicou uma reportagem segundo a qual o norte americano passava, em média, 1.548 horas por ano diante da televisão – o equivalente a 99 dias, descontadas as horas de sono.


Apesar disso, quantas pessoas se queixam de falta de tempo? Será que podemos resgatar alguns desses 99 dias ainda este ano, antes que eles se percam para sempre?

Está na hora de pegar o controle remoto e apertar o botão “desliga”. É o poder de dizer “não”.



Por: Bispo Antonio Bulhões
Data: Sexta, 26 de Julho de 2013.

VIVA A FAMÍLIA!

Os seres humanos não nascem como as plantas, por geração espontânea, e nem como crias de animais. Nem deveríam nascer, como frequentemente acontece, “desgraçadamente”, ao acaso.

Nós, os seres humanos, necessitamos de um pai e de uma mãe que nos chamem à vida, nos acompanhem no crescimento como pessoa, nos eduquem e nos transmitam o legado cultural que eles mesmos também receberam dos seus próprios pais.

Todos nós pertencemos a uma família. E dela recebemos a vida e a satisfação das nossas necessidades materiais e afetivas. É nela onde experimentamos a primeira experiência do amor e da solidariedade.


Por pertencermos a uma família recebemos um sobrenome que é a nossa identidade familiar. Assim, a família nos proporciona laços de parentesco com muitas pessoas.

A família é a maneira como nós, indivíduos, nos identificamos e integramos a sociedade humana.


Por: Bispo Antonio Bulhões

Data: Terça, 06 de Agosto de 2013.